Jul 14
antonio-da-silva-1728x800_c

António Henriques da Silva: “Temos que aprender, cada vez mais, a vender a imagem de Angola”

No próximo dia 23 de Junho, António da Ressurreição Henriques da Silva completa seis meses à frente dos destinos da Agência para a Promoção do Investimento e Exportações de Angola (APIEX). Trata-se de uma instituição que tem como missão a promoção, a captação de investimentos e de exportações. Apesar do curto consulado, o seu presidente do Conselho de Administração assegura que o balanço é positivo. A Agência tem as impressões digitais nalguns projectos de monta em curso no país, mas pretende muito mais. Para tal, continua a acenar os olhos a vários investidores internacionais, como um grupo de mais de 20 empresários polacos que no próximo dia 4 de Julho vai escalar o território angolano à busca de negócios e de parceiros nacionais.

Como vê o mundo do investimento privado?

Encaramos o mundo do investimento privado como um mundo de desafios. Desafios estes que acabam por ser amplos, na medida em que, com a nova estratégia de diversificação da economia, os sectores e as próprias actividades têm um escopo muito mais amplo.

Como é que nós, enquanto país, vamos conseguir capitalizar estas oportunidades que acabam por estar também inseridas no conjunto de medidas que estão a ser tomadas com o propósito de serem facilitados os investimentos encaixados na diversificação da economia como tal e na atracção de investimento privado directo ou estrangeiro para o nosso país? No enquadramento desta mesma estratégia, também foram criados incentivos e um conjunto de outras medidas exactamente com este propósito. Sentimos que a apetência para o mercado angolano mantém-se.

Notamos que o desconhecimento sobre o nosso mercado, nalguns casos, é também um factor inibidor, mas é importante, cada vez mais, que nós, enquanto país, e as instituições que actuam nas actividades de promoção e do próprio investimento em si, tomemos posições cada vez mais colectivas, para que no mundo se conheça as potencialidades de Angola.

Fonte:www.opais.co.ao