PORQUÊ EXPORTAR

Um elemento importante para a sustentabilidade do processo de desenvolvimento de Angola reside no seu relacionamento com o exterior e na inserção competitiva da economia no contexto internacional.

Exportação: actividade que consiste na comercialização de bens e/ou serviços ao exterior do país, ou seja vender para outros países. A exportação, portanto, consiste em actividade estratégica para ampliar a competitividade e a inserção das empresas, produtos e serviços angolanos no mercado internacional.

Angola é parte do sistema do comércio internacional, facto pelo qual consome produtos vindos de diversos países do mundo, conferindo assim possibilidade aos habitantes no país de satisfazerem necessidades de consumo de bens e serviços que o país não produz. Por exemplo, os consumidores angolanos compram carros, televisores, telefones celulares, têm serviços de internet, entre outros, que são produzidos em outros países; as empresas daqueles países aumentam a amplitude do seu mercado para comercialização dos seus produtos, vendem dentro e fora dos seus países.

Como parte deste sistema de comércio internacional, os produtos produzidos em Angola por empresas do sector privado ou público, também podem ser comercializados em outros países, tal como acontece com realce para petróleo bruto e diamantes.

Pretende-se que produtos agrícolas, florestais e seus derivados, das pescas, mineiros e industriais; serviços como os dos transportes, financeiros e das telecomunicações, produzidos em Angola possam ser comercializados em outros países.

O país prioriza a diversificação da produção de bens e serviços para o consumo interno e para exportação.

Para assegurar a implementação de um conjunto de políticas de apoio e promoção das exportações, o governo angolano institucionalizou a Agência para Promoção de Investimento e Exportações (APIEX-ANGOLA), como elo de ligação entre o estado angolano, as empresas angolanas e o mercado internacional, como objetivo da facilitação da comercialização de produtos angolano no exterior.

Importância de exportar

Para as empresas (destacam-se):

  • Diversificar e aumentar mercados de comercialização de produtos e serviços
  • Aumentar a produtividade e ganhos de escala
  • Recebimento em moeda externa
  • Aumentar especialização técnica e tecnológica e redução de custos de produção
  • Aumentar capacidade em investigação e desenvolvimento de novos produtos
  • Aprimoraramento da qualidade dos produtos;
  • Reduzir riscos de dependência de um único mercado (interno)
  • O aprimoramento das técnicas de design e embalagem, para adequar-se às   exigências do mercado importador;
  • A implantação de marca e formação de nome internacional;
  • A distribuição mais regular das vendas;
  • Estabelecimento de mercados alternativos;
  • Aprimoramento do marketing da empresa;
  • A participação nos incentivos fiscais e creditícios;
  • A redução dos custos financeiros, pela obtenção de incentivos e outros benefícios (linhas especiais de crédito;

Apoio institucional através da APIEX-ANGOLA

  • Incentivos fiscais
  • Participação em feiras e certames internacionais para exposição e divulgação de produtos e empresas angolanas
  • Redução de procedimentos adminsitrativos através da “Janela Única do Exortador ou Guichet Único do Exportador (Single Window)”
  • Utilização do Centro Logístico de apoio ao Exportador, redução de custos logísticos
  • Formação e capacitação em matéria do comércio internacional

Para o estado (destacam-se):

  • Aumentar o crescimento do produto interno do país
  • Melhorar a balança comercial
  • Melhorar a balança de pagamentos, objectivando um superávit
  • Aumentar a sustentabilidade das contas publicas por via das contribuições fiscais
  • Aumentar a oferta de emprego na economia
  • Aumentar a redistribuição da riqueza nacional

A actividade exportadora é capaz de promover ganhos de produtividade em escala; estimular a inovação e a qualificação da mão de obra; fortalecer as condições de concorrência e resiliência económica das empresas envolvidas; e gerar externalidades positivas para a economia como um todo.

Sob uma óptica mais abrangente, um sector exportador forte gera melhores resultados para a balança comercial e para a conta de serviços; permite maior sustentabilidade a balança de pagamentos; fomenta investimentos internos em produção e desenvolvimento tecnológico; permite a criação e a elevação de padrões de renda e emprego; e estimula a vitalidade e o dinamismo da economia.

A sustentação de uma produção nacional fora do sector petrolífero, potenciada, não só pela via do fomento do escoamento interno melhorado, mas também, por uma maior integração de Angola em mercados internacionais, assume-se como relevante, dada a exposição do País a dois principais riscos:

– Por um lado, os riscos implícitos na dependência de uma fonte de rendimento, como é o caso da indústria do petróleo – produto esse que expõe Angola a uma volatilidade crescente de choques externos, à medida que a exploração deste recurso finito progrida no tempo;

– Por outro, a existência de um mercado nacional condicionado, capaz de possibilitar, um crescimento limitado das actividades produtoras do país.

Sendo assim, definiu-se uma Estratégia de Promoção das Exportações de Angola, com o objectivo de apoiar a concretização do Plano Nacional de Desenvolvimento (PND), desenvolver uma economia equilibrada e competitiva, alavancadora do potencial de crescimento das actividades dos empreendedores angolanos, fora da indústria petrolífera e, niveladora dos meios de sustento dos agentes empreendedores nacionais.

O País deverá, ultrapassar desafios de carácter estrutural com vista ao desenvolvimento sustentável das exportações e ao sucesso da implementação da referida Estratégia, nomeadamente:

– A necessidade da geração de um superavit produtivo, não consumido pela Procura nacional, que possibilite a sua exportação;

– O reforço da competitividade da Produção nacional, garantindo a afirmação da generalidade das suas fileiras produtivas nos mercados Internacionais.

A internacionalização leva ao desenvolvimento das empresas, pois elas são obrigadas a modernizar-se, seja para conquistar novos mercados ou para preservar as suas posições no mercado onde actuem.

Deste modo, a exportação adquire uma importância maior para o empreendedor que queira crescer assim como para a economia nacional, mediante o ingresso de divisas e geração de emprego e renda.